booki

 

-10%

Guardar as Sementes - Preservar a biodiversidade agrícola e a pluralidade cultural

ISBN: 9789898701282

Autor: Maria Helena A. G. Marques

Editora: DERIVA

Número de Páginas: 352

Idioma: Português

Data Edição: 2017

10,80 €12,00 €
Poupa: 1,20 €

Em Portugal, a prática milenar dos agricultores de colher e guardar sementes para posteriores sementeiras permanece viva, sobretudo no âmbito da agricultura familiar prioritariamente destinada ao consumo doméstico. Ela é expressão de um modelo social em que o ideal de autosuficiência se mantém presente, não obstante a crescente uniformização de processos e produtos cultivados, bem como do uso de sementes e plântulas comerciais e das restrições legais relativas à sua produção e circulação. Entre as sementes mais salvaguardadas estão as das variedades tradicionais, cuja especificidade resulta da especial adaptação aos lugares ecológica e socialmente distintos em que foram mantidas e, portanto, com a sua ligação à gastronomia local, à história familiar e colectiva. Neste livro, que resulta de uma pesquisa em antropologia, realizada sobretudo em Terra de Miranda e Beira-Serra algarvia, abordam-se diferentes perspectivas sobre a preservação de recursos fitogenéticos agrícolas e os interesses conflituantes em jogo, dando primazia ao ponto de vista daqueles que são os primeiros guardiões da agrobiodiversidade: os pequenos agricultores.
INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 DIVERSIDADE AGRÍCOLA E PLURALIDADE CULTURAL
A importância das variedades autóctones
O recuo da agricultura em Portugal: dos anos 70 do século XX ao século XXI

CAPÍTULO 2 PATRIMÓNIOS EM CONFLITO
As plantas cultivadas: entre natureza e cultura

CAPÍTULO 3 GUARDAR AS SEMENTES
Primórdios do estudo e conservação de plantas em Portugal
Ensino, investigação e difusão do saber agronómico em Portugal
O papel das ‘organizações da lavoura’ na difusão de novas técnicas agrárias
A prolífica Estação Agronómica Nacional
Os bancos de germoplasma vegetal
Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV)
Um polémico Banco Global de Sementes
O papel das associações cívicas na preservação da agrobiodiversidade: o exemplo da Colher para Semear

CAPÍTULO 4 DA ALDEIA DO NORDESTE TRANSMONTANO AO SÍTIO ALGARVIO
O sítio algarvio
Alto Trás-os-Montes e Terra de Miranda
O clima e o calendário agrícola
Entre a Serra do Caldeirão e o Barrocal
O Barrrocal
Diferentes climas e culturas agrícolas
O concelho de Loulé
Freguesias de Alte e de Salir
Monte Ruivo (Alte)
Brazieira do Meio (Salir)
O concelho de Silves
A freguesia de São Bartolomeu de Messines
Notas sobre o concelho de Ponte de Lima
A freguesia da Correlhã: lugar de Barros
Freguesia da Ribeira: lugar de Crasto
Freguesia Santa Comba: lugar de Santa Comba
Notas sobre o concelho de Cantanhede
Cordinhã
Freguesia de Portunhos: Pena

CAPÍTULO 5 OS GUARDIÕES DE SEMPRE
Guardar sementes para poupar nos custos de produção
As sementes daqui
Semear para casa, plantar para vender; variedades rentáveis e para auto-consumo
Manjares rituais: o Carnaval
Técnicas e saberes associados à guarda e uso de sementes
Alguns exemplos de técnicas de extracção e armazenamento de sementes
Sementeiras
Sementeira em alfobre ou viveiro
Sementeira em local definitivo

CAPÍTULO 6 CIRCULAÇÃO DE PESSOAS E DE SEMENTES
As sementes que vieram de França
As inovações nas culturas: entre a relutância, a adaptação e o prazer da novidade
Variedades sem nome
A obrigação de retribuir

CAPÍTULO 7 A SEMENTE QUE A LEI PORTUGUESA CONSENTE
O Catálogo Nacional de Variedades
O caso das sementes de hortícolas
Variedades locais/regionais ou variedades de conservação
Sementes «fora-da-lei»
A polémica em torno da proposta nova lei europeia das sementes

CONCLUSÕES
BIBLIOGRAFIA
Maria Helena Marques é doutorada em Antropologia pelo ISCTE-IUL (2014), tendo defendido, como bolseira de doutoramento da FCT, a tese intitulada "Para não perder o inço. Práticas, discursos e conflitos em torno da guarda de sementes"; fez mestrado em Antropologia, na especialidade de Patrimónios e Identidades, sobre a raça asinina de Miranda, com a tese "O burro mirandês: a definição de um património. Estudo de caso numa aldeia da Terra de Miranda" (ISCTE, 2007) e é licenciada em Antropologia pelo ISCTE (2002).